Gasam na Mídia: Ricardo Mendonça colabora com matéria da Folha de Londrina (PR)

por | maio 3, 2021 | Notícias | 0 Comentários

No último sábado (1/5), o advogado Ricardo Mendonça, sócio do escritório Gasam Advocacia, colaborou com uma reportagem do jornal Folha de Londrina, de Londrina (PR). A matéria, assinada pela repórter Mie Francine Chiba, trouxe um panorama sobre as transformações do mercado de trabalho provocadas pela pandemia.

Um dos tópicos abordados no texto é a tramitação do projeto de lei que prevê multa para empresas nas quais exista diferenciação de salário entre homens e mulheres. Ricardo fez uma análise acerca da importância desse mecanismo legal, mas destacou suas limitações no enfrentamento da discriminação salarial por gênero.

Abaixo, você lê o trecho que traz a participação do advogado. A íntegra da matéria da Folha de Londrina (fechada para assinantes) pode ser acessada aqui.

Discriminação salarial na mira da justiça

A Câmara dos Deputados aprovou nesta quinta-feira (29) a urgência do projeto que pune com multa as empresas que pagarem às mulheres salário menor que o de homens que exerçam a mesma função. A multa proposta é de cinco vezes a diferença salarial constatada, a ser paga à funcionária lesada. Os deputados ainda precisam apreciar o mérito do projeto, mas ainda não há data para isso.

A tramitação do projeto foi cercada por controvérsias. A Câmara aprovou o projeto em dezembro de 2011. No Senado, o texto chegou a ser arquivado no final de 2018, sendo arquivado em março de 2019. No final de março de 2019, o texto foi aprovado no Senado, com uma emenda de redação que acabou alterando o mérito do texto. 

Em 5 de abril, o projeto foi enviado à sanção ou veto do presidente Jair Bolsonaro (sem partido). No último dia 22, Bolsonaro criticou o projeto e afirmou ter dúvidas sobre se deveria sancioná-lo ou vetá-lo. O presidente disse que, se vetar, será “massacrado”, mas, se sancionar, questionou se as mulheres teriam mais facilidade de conseguir emprego.

No dia seguinte às declarações de Bolsonaro, o presidente da Câmara, Arthur Lira (PP-AL), pediu a devolução do texto para nova apreciação pela Casa, apontando para a mudança de mérito, o que exigiria nova apreciação pelos deputados.

Para Ricardo Nunes de Mendonça, advogado com ênfase em Direito Processual do Trabalho, o PL “é uma medida que, ao menos no campo legislativo, se propõe a combater a injustificada discriminação de gênero.”

Porém, ele observa que o projeto de lei, por si só, não tem a capacidade de resolver o problema da discriminação salarial. “Primeiro porque isso depende de ação sindical e social organizadas, o que tem sido cada vez mais difícil em um ambiente de enfraquecimento das entidades sindicais como o que se vive atualmente”, diz.

Em segundo lugar, ele pontua que somente serão punidas as práticas ilegais que chegarem ao judiciário. “E desde a reforma trabalhista o propósito é tornar o acesso à Justiça mais difícil e mais caro para as trabalhadoras e trabalhadores brasileiros.”

Em terceiro, ele afirma que “a prova da discriminação por gênero nem sempre é fácil e enfrenta décadas de resistência machista no judiciário trabalhista”, ele continua.

O advogado destaca ainda que a ausência de fiscalização gera ilegalidades como esta. “O senso de impunidade acaba estimulando práticas ilegais, inclusive diferenças salariais pautadas em gênero, raça e condição sociofamiliar.”

“Ou seja, embora o Projeto de Lei, se aprovado e sancionado pelo Presidente da República, venha representar um importante avanço em matéria de combate à desigualdade de gênero, não se pode deixar de dizer que as desigualdades históricas só são reduzidas por meio de permanentes processos de luta e transformação social”, ele conclui. (com Folhapress)

Skip to content
This Website is committed to ensuring digital accessibility for people with disabilitiesWe are continually improving the user experience for everyone, and applying the relevant accessibility standards.
Conformance status